15.4.11

5: Quando a ansiedade bate à porta...



Olá!
Hoje acordei e em seguida comecei a me sentir ansiosa e levei muito tempo para voltar ao meu normal.



Uma das razões pela qual eu procuro estar sempre bem e me cercar de pessoas positivas é que tenho uma sensibilidade incrível para captar a energia das pessoas próximas.



Quando digo próximas, não em refiro ao aspecto distância física, pois moro sozinha. Vivi fora do Brasil por alguns anos e mesmo assim, podia saber exatamente como estavam os membros da minha família.




Não sei quantas vezes telefonei para a minha mãe porque sabia que algo não estava bem.




Eu não gosto desta característica minha.
Também tenho os meus desafios e eles já exigem um certo esforço para eu me equilibrar. Por esta razão, acredito que hoje pela manhã, alguém próximo estava um pouco ansioso e eu captei. 



Digo isso porque fui dormir mais cedo, tive uma noite maravilhosa e um sonho mágico. Daqueles que a gente espera poder voltar a pegar no sono, só para continuar a experiência. Sonhei que estava voando, mas não de avião, flutuando. Que sensação maravilhosa!




"Os sonhos são a literatura do sono."



Jean Cocteau

Minha vida é bastante tranquila e creio que possuo o essencial em todas as áreas para ser feliz. Estou realizando um trabalho em casa e não preciso manter um horário fixo e isso é maravilhoso. Sinto uma liberdade incrível e uma sensação de que estou na direção certa em diversas áreas da minha vida.



Por esta razão, não entendi a minha ansiedade e se eu pesquisar a respeito amanhã, descobrirei quem estava ansioso. Na verdade acho que já sei quem e porquê, só vou confirmar. 
O que procurei fazer hoje é perceber que este sentimento não era meu, mas levou um tempo para eu voltar a me sentir "zen".



Praticamente todas as pessoas tem as suas "válvulas de escape" quando estão ansiosas, deprimidas ou bravas. Eu estava descontando na comida! (Vou colocar o verbo no passado para projetar um novo presente.)



Por esta razão, comentarei sobre um dos livros mais fantásticos que eu já li: "Mulheres, Comida & Deus", de Geneen Roth. 



O LIVRO MOSTRA QUE É PRECISO DESISTIR DAS DIETAS PARA COMPREENDER A RELAÇÃO COM A COMIDA – E ENTÃO, PERDER PESO




“Mulheres, Comida & Deus”, de Geneen Roth, ficou meses na lista de mais vendidos do “The New York Times”. Vendeu mais de 500 mil exemplares em apenas dois meses e conquistou leitores ao propor o fim das dietas e uma nova abordagem sobre o que a autora chama de o “Problema do Peso”. Uma delas foi a apresentadora americana Oprah Winfrey que entrevistou a autora em seu programa e afirmou que a leitura “mudou sua relação com a comida”.


A escritora apresenta a própria trajetória como exemplo: Geneen chegou a ter roupas de oito numerações diferentes em seu guarda-roupa, oscilando entre a anorexia e a obesidade. Na procura pelo equilíbrio físico e também espiritual, encontrou o caminho para abandonar definitivamente as dietas. Desde então, escreve livros, organiza retiros e dá palestras sobre o assunto - mantendo o mesmo peso há décadas.

“Nunca teve nada a ver com peso. 
Não tem nada a ver sequer com comida.” 

Geneen Roth revela que o verdadeiro problema não é a alimentação ou o excesso de peso, mas a obsessão pela questão. Ao canalizar atenção e energia para o “Problema do Peso”, outros problemas são deixados de lado. A obsessão pela comida “dá às pessoas algo para fazer além de ter o coração machucado por acontecimentos que o abalam”.


“Mulheres, Comida & Deus” explora o conceito de alimentação emocional, ou seja, a ideia de que nossas emoções – raiva, tristeza, rejeição, ansiedade, solidão - estão intimamente ligadas à comida. 


Assim, o ato de comer – e também tudo o que ele envolve, como a contagem de calorias, as restrições e o controle – serve para mascarar sentimentos com as quais não se quer entrar em contato. 


Geneen Roth garante que comer o que se quer quando há fome pode levar à perda de peso naturalmente, sem esforço. Levará mais tempo, mas ocorrerá de modo gradual e permanente.


Mas...
Se a relação com a comida carrega tantos significados e pode ser uma expressão de nossas crenças, também pode servir como um portal libertador. “Mulheres, comida & Deus” oferece ferramentas para o autoconhecimento, para que entremos em contato com nossas reais necessidades – conseguindo, inclusive, perder peso sem sofrer e sem ter medo do espelho. 


Ao compreender o que queremos evitar ao nos voltarmos para a comida, toda a relação com o alimento é alterada, e os reflexos dessa mudança se refletem em nosso corpo pois “a alimentação é como uma teia de aranha e está relacionada a todas as áreas de nossa vida”.


“Quando começamos a nos definir por aquilo que pode ser medido ou pesado, algo profundo dentro de nós se rebela. Somos seres espirituais, somos muito mais do que este corpo físico e devemos nos lembrar disso sempre, da nossa natureza divina, sagrada, imaculada, verdadeira e imortal”. 



As sete diretrizes de “Mulheres, Comida & Deus” são:

· Coma quando tiver fome.
· Coma sentado num ambiente calmo. O que não inclui o carro.
· Coma sem distrações. Distrações incluem rádio, televisão, jornal, livros, músicas ou conversas intensas ou excitantes.
· Coma o que o seu corpo quer.
· Coma até ficar satisfeito.
· Coma com alegria, gosto e prazer.


Geneen Roth era atormentada por sentimentos de vergonha e culpa e hoje possui nove livros publicados sobre o assunto, tornando-se uma referência no tema. 




Minhas reflexões inspiradas/retiradas do livro:



* Acredito que você nasceu para algum propósito muito maior do que passar a vida inteira se preocupando se ganhou ou perdeu alguns kilos, você não acha? Liberte-se deste "peso"! Há coisas belas e muito mais importantes esperando por você!



* E se você nunca mais tivesse que se preocupar com isso, o que faria com a sua vida? O que ocuparia seu pensamento com mais frequencia, se decidisse fazer as pazes com seu corpo e com os alimentos? 




* Antes de comer, olhe para o alimento e reflita: "Estou fisicamente com fome"? Esta pergunta pode fazer com que você evite comer apenas por ansiedade ou outra emoção negativa. Aprenda a conhecer mais os sinais do seu corpo.



* Se estiver com fome, coma, mas esteja presente! Aprecie as cores, os aromas, saboreie cada garfada, sinta gratidão pelo alimento. Mastigue devagar! Não tente se livrar do alimento como se já estivesse com culpa. Se você comer prestando atenção em cada detalhe, além de ser um prazer pra você, seu organismo metabolizará muito melhor o alimento. Também terá uma digestão tranquila e você comerá naturalmente uma quantidade menor.




* Se você comer apenas para avaliar algum desconforto, após terminar, estará se sentindo pior. Isso ocorre porque o sentimento que levou você a comer continuará existindo e outro sentimento surgirá para piorar a situação: a culpa por ter exagerado. Por que não se perguntar então: Tenho fome de que? 




* Geralmente a ansiedade é resultado de sentimentos que nós não nos permitimos sentir. Queremos nos anestesiar, esquecer, enterrar. Mas de onde surge este comportamento? 



* Podem existir momentos dolorosos do passado ainda não digeridos que desejamos abafar. O paradoxo é que se você se permitir trazer à tona este momento doloroso do passado, encará-lo de frente, analisá-lo, observá-lo, ele se dissolve e desaparece.



*Comer em excesso é uma tentativa de evitar alguma falta (de amor, conforto, segurança, certeza de que caminho tomar...) Mas este espaço vazio pode ser preenchido por Deus e sua "fome" desaparecerá. Converse com Ele. Abra seu coração...




* Se você decidir fizer dieta, terá que se privar por um tempo de saborear alimentos desejados. Você irá emagrecer, mas sem eliminar a causa maior por detrás de tudo, passará a utilizar outro meio para a sua fuga e criará um novo problema. Ou, assim que chegar ao peso desejado, parará com a dieta e ganhará peso novamente. Elimine a causa inicial e as razões que te levavam a comer além do necessário automaticamente desaparecerão.



* Muitas vezes nos autopunimos engordando e emagrecendo durante toda a vida. Isso ocorre para nos mantermos ocupados o suficiente para não encararmos o que realmente importa na nossa vida. Existe uma voz interna sussurrando em nossos ouvidos para prestarmos mais atenção em metas, projetos, traumas do passado, mudanças necessárias, nossa conexão com nosso eu sagrado, etc. Enquanto tivermos um objetivo claro: perder peso, teremos uma desculpa para não pensar nas demais.




* Frequentemente as pessoas sentem culpa por achar que não são perfeitas. Se comparam com falsos ideais, especialmente fisicamente. Há falta de amor próprio. Se você é uma destas pessoas, saiba que não há nada em você que precise ser consertado através de uma dieta. Você precisa apenas deixar Deus entrar na sua vida e perceber o quanto você já é um ser perfeito, completo, belo e divino. Conecte-se com sua essência verdadeira! Decida que aprenderá a ver as suas partes positivas, comece a se amar!


Mesmo que você não sinta ou acredite, esta verdade não muda:
Você é Filho(a) de Deus e nasceu pra ser feliz!
Mas passar a perceber isso pode transformar a sua vida.
Fica o convite!


Enfim...
O simples fato de relembrar o conteúdo do livro, me ajudou bastante e posso dizer que estou novamente retornando ao meu estado desejado de paz interior e de comer com alegria, sem culpa. 



Minha vida é bela e sou muito grata por ter acesso à tantas informações atuais, poderosas e transformadoras.
Meus livros e seus autores são alguns de meus melhores amigos.



Amanhã pretendo comentar sobre um capítulo de "O segredo da mente milionária", de T. Harv. Eker. Bom final de semana!
E...
Se está seguindo este Blog, comentei no 3º dia sobre a importância de nos abrirmos para o novo, então o que programou para seu final de semana? Que tal um piquenique se o clima ajudar?  




"Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento."
Clarice Lispector



Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Toda reforma foi em algum tempo uma simples opinião particular." (Ralph Waldo Emerson)