6.5.11

26: Mais "conversas" com Deus




Olá!
Felizmente tenho trabalhado bastante. Fico muito feliz, porém estou com menos tempo para me dedicar hoje a este blog.



Nos últimos dois dias, apesar de estar muito ocupada, aconteceram coisas muito belas (ambas advindas de tragédias pessoais muito sérias de outras pessoas que conheci) e comentarei sobre isso amanhã, prometo!



Quero dar a atenção e o carinho que o tema merece, por isso amanhã a noite eu tirarei um bom tempo para compartilhar estes fatos, pois ambos mexeram muito comigo e tenho certeza que servirão de inspiração para quem estiver lendo este blog.



No 18º dia, publiquei o 1º capítulo do livro "Conversando com Deus", do autor Neale Donald Walsh. Hoje colocarei o 2º capítulo inteiro abaixo. Espero que goste. É um dos meus livros favoritos.



Novamente, deixarei em azul as respostas vindas de "Deus".


Capítulo 2 - Conversando com Deus:


"Tu me farás ver os caminhos do vida; na tua presença há plenitude de alegria, na tua direita, delícias perpetuamente."
Salmos 16:11


Eu procurei o caminho para Deus a minha vida inteira...


Sei disso.


    ...e agora que o encontrei não consigo acreditar. É como se eu estivesse sentado aqui, escrevendo para mim mesmo.


Você está.


Isso não corresponde à minha idéia do que seria uma comunicação com Deus.


Você quer elementos impressivos e supérfluos? Vou ver o que posso arranjar.


O Senhor sabe que algumas pessoas considerarão todo este livro uma blasfêmia. Especialmente se continuar a mostrar-se como alguém tão sábio.


Deixe que Eu lhe explique algo. Você tem essa idéia de que Deus se mostra de um único modo na vida. Ela é muito perigosa. Impede que veja Deus ao seu redor. Se você achar que Deus tem apenas uma aparência e se manifesta ou é de um único modo, deixará de ver a Mim noite e dia. Passará a sua vida inteira procurando por Deus e não A encontrando [a aparência]. Porque está procurando por Ele. Eu uso isso como um exemplo.
Foi dito que se você não vê Deus no profano e no sagrado, perde metade da história. Essa é a grande Verdade.
Deus está na alegria e na tristeza, no doce e no amargo. Há um propósito divino por trás de tudo - e, portanto uma presença divina em tudo.


Certa vez eu comecei a escrever um livro intitulado Deus é um Sanduíche de Salame.


Esse teria sido um ótimo livro. Fui Eu que o inspirei. Por que não o escreveu?


Parecia uma blasfêmia. Ou no mínimo, horrivelmente irreverente.


Você quer dizer maravilhosamente irreverente! O que lhe deu a idéia de que Deus é apenas "reverente"? Deus é o alto e o baixo. O quente e o frio. À esquerda e a direita. O reverente e o irreverente!
Pensa que Deus não consegue rir? Imagina que não gosta de uma boa piada? Acha que não tem senso de humor? Eu lhe digo, Deus inventou o humor.
Você tem de falar Comigo formalmente? As gírias e a linguagem rude estão além da Minha compreensão? Eu lhe digo que pode falar Comigo como falaria com o seu melhor amigo.
Você acha que há uma única palavra que Eu não conheço? Algo que não vi? Um som que não ouvi?
Pensa que desprezo algumas dessas coisas, e gosto de outras? Eu lhe digo que não desprezo coisa alguma. Nada é repulsivo para mim. Tudo é vida, e a vida é a dádiva; o tesouro indescritível; o mais sagrado.
Eu sou vida, porque sou o que a vida é. Todos os seus aspectos têm um propósito divino. Nada existe - nada - sem um motivo compreendido e aprovado por Mim.


Como isso é possível? E quanto ao mal que foi criado pelo homem?


Você não pode criar coisa alguma -um pensamento, um objeto, um evento, uma experiência de qualquer tipo - que não seja parte do plano divino. Porque o Meu plano é que você crie tudo que quiser. Nessa liberdade está a experiência de Deus ser Deus - e esta é a experiência para a qual Eu o criei. E a própria vida.
O mal é o que você chama de mal. Contudo, até mesmo isso Eu amo, porque é apenas através do que você chama de mal que pode conhecer o bem; apenas através do que chama de obra do demônio que pode conhecer e realizar a obra de Deus. Eu não amo o quente mais do que o frio, o alto mais do que o baixo, a esquerda mais do que a direita. Tudo isso é relativo, parte daquilo que é.
Eu não amo o "bem" mais do que o "mal". Hitler foi para o Céu. Quando compreender isso, compreenderá a Deus.


Mas eu fui criado para acreditar que o bem e o mal realmente existem; que o certo e o errado são opostos; que algumas coisas não são "aceitáveis" para Deus.


Tudo é "aceitável" para Deus, pois como Deus poderia não aceitar aquilo que é? Rejeitar uma coisa é negar que ela existe. Dizer que não está certa é dizer que não é parte de Mim e isso é impossível.
Contudo, mantenha as suas crenças e aja de acordo com os seus valores, porque esses são os valores de seus pais, seus avós, seus amigos e sua sociedade. Eles formam a estrutura de sua vida, e perde-los seria desfiar o tecido da sua experiência. Ainda assim, examine-os um a um, parte a parte. Não destrua a casa, mas examine cada tijolo, e substitua aqueles que parecem quebrados, que não suportam mais a estrutura.
Suas idéias sobre o certo e o errado são apenas isso - idéias. São os pensamentos que criam e determinam Quem Você É. Haveria apenas um motivo para mudar qualquer um deles: você não estar feliz com Quem é.
Só você pode saber se está feliz, dizer a respeito de sua vida: "Essa é minha criação (meu filho), com que estou muito satisfeito."
Se seus valores servem para você, aja de acordo com eles. Lute para defendê-los. Contudo, procure lutar de um modo que não cause dano a ninguém. O dano não é um componente necessário na cura.


O Senhor diz "aja de acordo com os seus valores", e ao mesmo tempo diz que nossos valores estão todos errados. Ajude-me a entender isso.


Eu não disse que os seus valores estão errados. Mas tampouco estão certos. São simplesmente julgamentos. Avaliações. Decisões que em sua maioria não são tomadas por você, mas por outras pessoas. Talvez seus pais. Sua religião. Seus mestres, historiadores e políticos.
Pouquíssimos julgamentos de valor que você incorporou à sua verdade foram feitos por você mesmo, baseados em sua própria experiência. Porém foi por causa da experiência que você veio para cá - e deveria criar-se a partir de sua experiência. Você criou a si mesmo a partir da experiência dos outros.
Se o pecado existisse, seria isso: permitir a si mesmo tornar-se o que é a partir da experiência dos outros. Esse é o "pecado" que todos vocês cometeram. Não esperam as suas próprias experiências, aceitam a experiência dos outros como evangelho (literalmente) e então, quando têm pela primeira vez a experiência verdadeira, sobrepõem a ela o que pensam que já sabem.
Se não fizessem isso, talvez tivessem experiências totalmente diferentes - que poderiam ir contra o que lhes ensinaram seus primeiros mestres e suas outras fontes. Na maioria das vezes, vocês não querem ir contra o que lhes ensinaram seus pais, suas escolas, religiões, tradições e todos os escritos sagrados - por isso negam as suas próprias experiências a favor do que lhes disseram paro pensar.
Em nenhuma parte isso pode ser melhor ilustrado do que em seu tratamento da sexualidade humana.
Todos sabem que a experiência sexual pode ser a experiência física mais amorosa, excitante, poderosa, estimulante, renovadora, energizante, positiva, íntima, unitiva e divertida de que os seres humanos são capazes. Apesar de terem descoberto isso experiencialmente, vocês escolheram aceitar os julgamentos, as opiniões e as idéias anteriores sobre o sexo de outras pessoas - que têm um interesse oculto em como vocês pensam.
Esses julgamentos e essas opiniões e idéias contradizem diretamente as suas próprias experiências, mas como vocês relutam em considerar errado o que lhes ensinaram seus mestres, convencem-se de que devem ser as suas experiências que estão erradas. O resultado é que negam a sua própria verdade em relação a esse assunto, com conseqüências devastadoras.
Vocês fizeram o mesmo em relação ao dinheiro. Sempre que tiveram muito dinheiro, sentiram-se bem, recebendo-o e gastando-o. Não havia mal nenhum nisso, nada de inerentemente "errado". Contudo, vocês estavam tão imbuídos dos ensinamentos de outras pessoas a respeito desse assunto que rejeitaram as suas experiências a favor da "verdade".
Tendo aceitado essa "verdade" como sua, formaram pensamentos em torno dela que são criativos. Dessa forma, criaram uma realidade pessoal em torno do dinheiro que o afasta de vocês; afinal de contas, por que iriam procurar atrair o que não é bom?
Surpreendentemente, vocês criaram essa mesma contradição no que diz respeito a Deus. Tudo que seus corações experimentam em relação a Deus lhes diz que Ele é bom. Tudo que seus mestres lhes ensinam sobre Deus lhes diz que Ele é mau. Seus corações lhes dizem que Deus deve ser amado sem medo. Seus mestres lhes dizem que Ele deve ser temido, porque é vingativo. Dizem que vocês devem viver temendo o castigo divino, tremendo em Sua presença. Durante todas as suas vidas devem temer o julgamento do Senhor. Porque o Senhor é "justo". E Deus sabe que terão problemas quando enfrentarem a Sua terrível justiça. Portanto, vocês devem "obedecer" às Suas ordens. Ou então...
Em primeiro lugar, vocês não devem fazer perguntas lógicas como, "se Deus queria uma obediência cega às Suas leis, por que criou a possibilidade dessas leis serem violadas"? Ah, todos os seus mestres lhes dizem - porque Ele queria que vocês tivessem o "livre-arbítrio". No entanto, que tipo de arbítrio é livre quando escolher uma coisa dentre outras leva à condenação? Como o arbítrio é livre quando não é a sua vontade, e sim a de outrem, que deve ser feita? Aqueles que lhes ensinam isso fazem Deus parecer hipócrita.
É dito a vocês que Deus é perdão e compaixão -contudo, se não pedirem esse perdão do "modo certo", se não "procurarem Deus" adequadamente, suas súplicas não serão ouvidas e atendidas. Isso não seria tão ruim se houvesse apenas um modo adequado, mas há tantos sendo ensinados quanto há mestres para ensiná-los.
Por isso, a maioria de vocês passa a maior parte da vida adulta procurando o modo "certo" de adorar, obedecer e servir a Deus. A ironia de tudo isso é que Eu não quero a sua adoração, não preciso da sua obediência e não é necessário que sirvam a Mim.
Esses comportamentos são os historicamente exigidos dos súditos pelos monarcas - geralmente egomaníacos, inseguros e tirânicos. Não são de modo algum exigências divinas
e parece notável que até agora o mundo não tenha concluído que são falsas, não tendo nada a ver com as necessidades ou os desejos da Divindade. A Divindade não tem necessidades. Tudo Que É, é exatamente isso: tudo que é. Portanto, por definição não tem necessidades e nem deseja coisa alguma.
Se vocês escolherem acreditar em um Deus que precisa de alguma coisa e fica tão ofendido se não a tiver que pune aqueles de quem esperava recebê-la, então terão escolhido acreditar em um Deus muito inferior a Mim. Na verdade, serão Filhos de um Deus Inferior.
Não, meus filhos, por favor, deixem-Me afiançar-lhes novamente, através deste livro, que Eu não tenho necessidades. Não exijo coisa alguma.
Isso não significa que não tenho desejos. Desejos e necessidades são coisas diferentes (embora muitos de vocês as tenham igualado em suas vidas atuais).
O desejo é o começo de toda criação. É o primeiro pensamento, um sentimento profundodentro da alma. É Deus escolhendo o que criar a seguir.


E qual é o desejo de Deus?


Eu desejo primeiro saber e experimentar Quem Sou, em toda plenitude -para conhecer Quem Realmente Sou. Antes de criar você - e tudo o que há no universo - era impossível compreender isso.
Em segundo, Eu desejo que vocês saibam e experimentem Quem Realmente São, através do poder que lhes dei de criar e experimentar a si mesmos do modo que escolherem. Em terceiro, Eu desejo que todo o processo da vida será uma experiência de alegria constante, criação contínua, desenvolvimento incessante e satisfação plena em todos os momentos.
Eu criei um sistema perfeito por meio do qual esses desejos podem ser realizados, e estão sendo realizados agora. A única diferença entre vocês e Eu é que Eu sei disso.
No momento de sua conscientização total (que poderia ocorrer a qualquer tempo), vocês também se sentirão como Eu sempre me sinto. Serão totalmente felizes, amorosos, compreensivos, glorificados e gratos. Estas são as Cinco Atitudes de Deus, e antes de terminarmos este diálogo Eu lhes mostrarei como colocá-las em prática em suas vidas que agora podem levá-los, e os levarão, à Santidade.


Tudo isso é uma resposta muito longa para uma pergunta muito curta .


Sim, aja de acordo com os seus valores - se descobrir por experiência própria que eles lhe servem. Contudo, veja se os valores aos quais você serve, com seus pensamentos, suas palavras e seus atos, trazem para a sua experiência a idéia melhor e mais elevada que já teve de si mesmo.
Examine os seus valores um a um. Traga-os à luz do escrutínio público. Se pode dizer ao mundo sem hesitação quem você é e no que acredita, está feliz consigo mesmo. Não há motivo para estender-se mais neste diálogo Comigo, porque você criou um Eu, e uma vida para esse Eu, que não precisa de aperfeiçoamento. Você atingiu a perfeição. Ponha este livro de lado.


Minha vida não é perfeita, e nem está perto de ser. Eu não sou perfeito. Na verdade, sou cheio de defeitos. Desejo - às vezes de todo coração - poder corrigi-los; saber as causas de meus comportamentos, os motivos das minhas desgraças, o que faz com que me desvie do caminho. Por isso procurei o Senhor. Não consegui descobrir as respostas sozinho.


Estou feliz por ter feito isso. Sempre estive aqui para ajudá-lo. Você não tem de descobrir as respostas sozinho. Nunca teve.


Mas isso parece tanta... presunção... simplesmente sentar-me e dialogar com o Senhor assim - e imaginar que Deus está respondendo - quero dizer, é loucura.


Eu entendo. Os autores da Bíblia eram todos sãos, mas você é louco.


Os autores da Bíblia foram testemunhas da vida de Cristo, e registraram fielmente o que ouviram e viram.


Correção. A maioria dos autores do Novo Testamento nunca conheceu ou viu Jesus em suas vidas. Eles viveram muitos anos depois que Ele deixou a Terra. Não reconheceriam Jesus de Nazaré se o vissem na rua.


Mas...


Os autores da Bíblia tinham muita fé e eram grandes historiadores. Ouviram as histórias que foram contadas a eles e a seus amigos por pessoas mais velhas - que as tinham ouvido de outras pessoas mais velhas - até finalmente fazerem um registro escrito.
E nem tudo que os autores da Bíblia escreveram foi incluído no documento final.
Os ensinamentos de Jesus já tinham levado ao aparecimento de "igrejas" - e, como acontece sempre que as pessoas se reúnem em grupos formados em torno de uma idéia influente, havia certos indivíduos dentro dessas igrejas, ou desses enclaves, que determinavam que partes da História de Jesus seriam contadas - e como. Esse processo de selecionar continuou durante toda a compilação, a produção literária e a publicação dos evangelhos, e da Bíblia.
Até mesmo vários séculos depois que os textos sagrados originais foram escritos, um concílio determinava mais uma vez que doutrinas e verdades deviam ser incluídas na Bíblia então oficial -e quais seriam "prejudiciais" ou "prematuras" para se revelar às massas.
E também houve outros textos sagrados -escritos em momentos de inspiração por homens comuns, que não eram mais loucos do que você.


Está insinuando que estes escritos poderiam um dia tornar-se "sagrados"?


Meu filho, tudo na vida é sagrado. Sendo assim, estes escritos também são. Mas Eu não farei com você um jogo de palavras, porque sei o que quer dizer.
Não, Eu não estou insinuando que este manuscrito um dia se tornará sagrado. Pelo menos, não antes que se passem séculos, ou que a linguagem se torne obsoleta.
O problema é que a linguagem aqui é muito coloquial e contemporânea. As pessoas presumem que se Deus quisesse falar diretamente com você, não o faria como se fosse o amigo que mora na casa ao lado. A linguagem deveria ter uma estrutura unificadora, senão divinizadora. Uma certa dignidade. Um quê de Santidade.
Como Eu já disse, isso é parte do problema. As pessoas pensam que Deus só "aparece" de uma forma. Tudo que não corresponde a esta forma é visto como blasfêmia.
Como eu já disse.
Como você já disse.
Mas vamos ao âmago da nossa questão. Por que acha loucura conseguir dialogar com Deus? Não acredita na oração?


Sim, mas isso é diferente. Para mim a oração sempre teve um só sentido: Eu peço, e Deus permanece imutável.


Deus nunca respondeu a uma oração?


Ah, sim, mas nunca verbalmente. Aconteceram todos os tipos de coisas em minha vida que me convenceram de que eram uma resposta - muito direta -à oração. Mas Deus nunca falou comigo.


Eu entendo. Então esse Deus em que você acredita pode fazer qualquer coisa - menos falar.


É claro que Deus pode falar, se quiser. Só não parece provável que Ele iria querer falar comigo.


Essa é a causa de todos os seus problemas na vida - não achar que merece que Deus fale com você.
Como pode esperar ouvir a Minha voz se pensa que não merece que Eu fale com você?
Eu lhe digo que estou fazendo um milagre neste exato momento. Porque não só estou falando com você, como também com todas as pessoas que estão lendo este livro.
Estou falando com todas elas agora. Sei quem são. Sei quem lerá estas palavras - e que (como acontece com todas as Minhas outras comunicações) - algumas dessas pessoas não ouvirão palavra alguma.


Bem, isso me faz lembrar de outro fato. Já estou pensando em publicar este material, enquanto está sendo escrito.


Sim. O que há de "errado" nisso?


Não podem dizer que eu estou inventando essa história toda visando lucro? Isso não torna o livro suspeito?


Seu objetivo é escrever algo que o faça ganhar muito dinheiro?


Não. Não é por isso que eu comecei este diálogo. Eu o coloquei no papel porque há trinta anos minha mente é atormentada por perguntas - que eu desejo desesperadamente que sejam respondidas. A idéia de transformar tudo isto em um livro veio depois.


Foi Minha.


Sua?


Sim. Não acha que Eu iria deixá-lo desperdiçar todas essas maravilhosas perguntas e respostas, acha?


Eu não tinha pensado nisso. No início, só queria que as perguntas fossem respondidas, que a frustração e a procura terminassem.


Ótimo. Então pare de questionar os seus motivos (você sempre faz isso) e vamos prosseguir. 


...


Outro dia publico o capítulo 3.

Até amanhã!

Com carinho,

Marcia


"Os navios estão a salvo nos portos. 

Mas não foi para ficar ancorados que eles foram criados"




Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Toda reforma foi em algum tempo uma simples opinião particular." (Ralph Waldo Emerson)