26.8.11

133: As penas


"A felicidade consiste em três pontos: trabalho, paz e saúde."
(Abílio Manuel de Guerra Junqueiro)


Olá!
Tive um dia tão especial hoje. Muito trabalho, mas está sendo uma excelente experiência. Precisei contatar antigos conhecidos para indicar aulas particulares de inglês para um novo cliente e acabei ficando sabendo de um evento que acabei participando, de última hora. Ocorreu pela manhã de um encontro entre empresários chineses, brasileiros e lideranças políticas, no FIEP aqui em Curitiba. 


Muitas pessoas me escrevem falando mal da China, devido a concorrência desleal. Tenho uma opinião diferente, somos todos irmãos na terra e com a economia deles melhorando a qualidade de vida deles e as condições de trabalho também estão melhorando isso me deixa feliz.


Almocei lá e sentei à mesa com um empresário chinês muito querido e trocamos contatos, ideias e experiências. O mais incrível é que ele deu algumas dicas bem interessantes e eu não pude deixar de notar que era um homem especial, pois estamos no mesmo ramo, ele poderia ter me visto como uma "rival", mas quis ajudar, não é fantástico?!



Meus negócios parecem estar se encaminhando muito bem. Consegui responder à maioria dos emails, conquistamos muitos clientes na feira em SP. Estou me sentindo orgulhosa como uma nova "business woman". Valeu a pena! Depois trabalhei, namorei, vi TV e mais uma vez, saboreei um delicioso fondue de chocolate e frutas e pensei na vida.  Tenho muitas coisas para por em ordem neste final de semana, mas estou com aquela sensação de que estou no rumo certo e isso não tem preço. Paz de espírito. 




Acho que é isso que dá sentido à nossa vida... 
Ah! E fui convidada para uma festa surpresa no domingo. Sinto que meu final de semana será excelente!
Para finalizar, recebi o email abaixo e gostei. Já recebei "n" variações deste tema; mas nunca é demais pensar sobre este assunto e policiar nossa "língua". Este texto não está direcionado à ninguém, é apenas uma sugestão de reflexão.


"As penas"


Quando pequenas, minha irmã e eu éramos muito sonhadoras. O sonho e a imaginação se conjugam muito bem.
E, de quando em vez, inventávamos histórias sobre nossas companheiras. Essas histórias se transformavam em boatos que, em uma cidade pequena, terminavam por provocar dissabores.
Na verdade, não fazíamos aquilo por mal, mas, naturalmente, enquanto dávamos rédeas soltas à nossa fantasia, os desagradáveis incidentes se multiplicavam.
Lembro-me muito bem de certa manhã, antes do inverno chegar. Ventava muito e nós brincávamos no galpão. Entretanto mamãe estava sentada em um tamborete, ao aberto, bem no meio do quintal.
Aquilo nos intrigou um pouco, porém logo nos distraímos.
Nossa atenção voltou a ser despertada quando ela nos chamou, solicitando que levássemos até ela uma almofada e uma tesoura, que se encontravam perto de nós.
Quando colocamos os dois objetos junto dela, ela nos pediu que cortássemos a almofada ao meio.
Obedecemos. A almofada estava cheia de penas e, logo em seguida, levadas pelo vento, elas enchiam o quintal num espetáculo tão lindo como uma tempestade de neve. Eu e minha irmã pulávamos encantadas com o espetáculo.
Todavia, mamãe tornou a nos chamar. Junto dela estava a sua cesta de costura, que nem tínhamos visto. Foi lá de dentro que ela tirou uma capa de almofada nova e vazia.
Ela solicitou que enchêssemos de novo a almofada. Ficamos admiradas com o pedido, julgando impossível que fosse atendido, pois as penas haviam voado por toda parte.
Enquanto observava as penas dançando ao vento, ela fez um comentário que eu e minha irmã não pudemos esquecer por toda a vida.
Ela comparou as penas com os boatos que certas pessoas propagam: uma vez espalhados, não há meios de fazê-los voltar ao ponto de partida. 

* * * 

Esta singela história nos leva a refletir o quanto é importante cuidarmos de qualquer comentário que possamos vir a fazer a respeito de outras pessoas.
Vigiemos sempre as nossas palavras, não nos entregando à maledicência.
Poucos de nós cultivam a indulgência, um sentimento fraternal que nos move a não enxergar as falhas e os defeitos dos outros.
Quando notarmos as fraquezas alheias, evitemos divulgá-las ou tenhamos o cuidado de atenuá-las tanto quanto possível.
Julguemos com severidade somente as nossas próprias ações, pois todos nós temos defeitos a corrigir e hábitos a modificar, e muitas vezes, cometemos graves faltas.
Ser indulgente com as fraquezas do outro é uma forma de praticar a caridade.
O verdadeiro caráter da caridade é a modéstia e a humildade, que consistem em ver cada um apenas superficialmente os defeitos de outrem e esforçar-se por fazer que prevaleça o que há nele de bom e de virtuoso. 

* * * 

Reflitamos sempre se o que nos chega ao ouvido é absolutamente verdadeiro para ser passado adiante. Pensemos se o que vamos comentar também gostaríamos que as pessoas dissessem a nosso respeito.
Analisemos se é mesmo necessário falar sobre este ou aquele fato, se trará algum benefício ou se não prejudicará alguém.
Antes de cedermos ao impulso de passar adiante qualquer comentário, lembremos sempre das penas soltas ao vento, como se fossem as nossas palavras que, de nenhuma forma, podemos tornar a recolher.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. As penas, do livro E, para o resto da vida, de Wallace Leal V. Rodrigues, ed. O clarim e frase do item 18, cap. X, do livro O Evangelho segundo o Espiritismo, de Allan Kardec, ed. Feb. 
Em 18.08.2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Toda reforma foi em algum tempo uma simples opinião particular." (Ralph Waldo Emerson)