11.9.11

149: Hoje é 11 de setembro

"No passado cometi o maior pecado que um homem pode cometer: não fui feliz. "
(Jorge Luis Borges)

Olá!
Hoje é domingo, 11 de setembro de 2011. 
Dia maravilhoso e inspirador, pois passei o final de semana me "aprimorando" espiritualmente. Digo que foi especial e foi mesmo, mas não desprovido de meus eternos questionamentos, que muitas vezes me atordoam.
Participei de um seminário da Seicho no ie e um dos princípios fundamentais desta bela filosofia é: "Anular totalmente o ego". 


"Diz-se que o egoísmo não sabe amar, mas também não sabe deixar-se amar."
(Astolphe de Custine)

Pois eu digo para você que está lendo esta mensagem que discordo parcialmente. Sei que irá parecer uma loucura, mas a verdade é que se conseguíssemos aprender a fazer isso para sempre, não estaríamos mais aqui, não haveria razão para isso. Creio que para auto manifestarmos Deus, precisamos dos "altos e baixos", dos momentos em que estamos desconectados e daqueles de pura "comunhão" com Ele (ou com nosso EU Sagrado). É isso que parece dar mais sentido e valor às nossas vidas.



Posso estar enganada, mas sinto que nosso espírito, nossa alma, ou consciência maior depende do ego para se compreender como divina neste plano "material", para se desafiar e mostrar o quanto é capaz de vencer desafios e se reconectar com o sagrado.
Justamente nos momentos em que conseguimos anular o ego, transcender esta realidade "física" redescobrimos o quanto nossa natureza é divina e especial. Queria evitar os clichês, mas não sei se conseguirei: Como saberíamos o que é luz sem a escuridão? 



Ora, se fosse fácil anular totalmente o ego o mundo não teria desafio nenhum, pois manifestaríamos apenas nosso eu sagrado e perfeito. Mas não poderíamos compará-lo a nada, então não o perceberíamos como divino. 
Na minha opinião, o ego se manifesta e "cria" situações que apenas nosso eu divino consegue resolver, pois  no momento em que se afasta deste falso eu e deixa a sua natureza verdadeira surgir em sua plenitude, nosso Deus interior vence! Então o belo, o sagrado, o impossível se manifesta em todas as áreas. Os "milagres" se tornam reais e frequentes.



Quantas vezes acabamos realizando grandes mudanças no rumo da nossa vida justamente quando o nosso ego parece estar "vencendo"? 
Vou citar um exemplo:
Há 10 anos eu estava 100% envolvida com a tragédia de 11 de setembro, em todos os sentidos. Senti as dores de tudo o que aconteceu e a minha vida mudou radicalmente e repentinamente, como a de muitas pessoas. 


Em pouco tempo, meu casamento com um piloto norte americano foi acabando, tive que interromper a minha pós graduação, perdemos a nossa casa, alguns conhecidos, os nossos trabalhos, a sensação de segurança, a paz espiritual e muitas outras coisas mais. Existem tantos detalhes que nos ligaram diretamente a este fato e às suas consequências, mas prefiro omitir, pois é passado. 
Tive que me mudar com a minha ex sogra americana. Queria chorar. Decidi dar uma volta. Perdida, desconectada de Deus, sem familiares e amigos lá para me darem força, questionando a beleza e o sentido da vida, lá estava eu, sem dinheiro, sem fé e sem rumo, vagando num parque em Washington DC. 


Estava sozinha no parque porque era uma tarde muito fria e nublada, com muita neve no chão. As pessoas estavam provavelmente em suas casas ou no trabalho e na escola. 
Eu chorava copiosamente como se cada lágrima pudesse aliviar um pouco a dor e o desconforto. 
Neste momento, briguei seriamente com Deus. Eu pensava que havia perdido tudo o que fazia sentido pra mim e disse a Ele que queria desistir de viver pois a vida era muito injusta, triste e sem sentido.


Não sei por quanto tempo eu chorei, mas de repente pedi que se Deus existisse e estivesse me ouvindo, que me mandasse um sinal, mas que fosse algo bem claro, que eu saberia que só poderia ter vindo dEle. 
Alguns segundos depois, senti que uma nuvem se abriu e um pequeno raio de sol começou a aparecer timidamente. Olhei para o chão e vi algo brilhando na neve. Me abaixei e peguei algo que parecia ser um brilhante. Era uma pulseira de ouro com uns 28 diamantes, estava enterrada na neve e o sol bateu justamente nesta parte que começou a derreter e por isso pude vê-la.


Sei que muitos podem achar que foi apenas uma grande coincidência, mas para mim não foi. Eu senti como um sinal da presença de Deus.
Como não descobri a proprietária, a vendi e retornei ao Brasil, onde recomecei a vida e me conectei fortemente à Deus e a todas as religiões e filosofias. 
Para mim, aquele momento significou um marco. Meu ego tão dilacerado acabou sendo indiretamente o instrumento para algo fantástico que aconteceu depois, minha "busca".
Quero dedicar a minha vida a encontrar respostas e poder transmitir um pouco das minhas experiências, especialmente da descoberta deste Deus que jamais nos abandona e em quem podemos confiar em todas as horas.


Meu ex marido norte americano não faleceu nos atentados, embora trabalhasse para a United Airlines e o irmão dele para a American Airlines. Ambos estão felizes e casaram novamente. Sou muito amiga da atual esposa do meu ex marido, eles moram aqui no Brasil. 
Acredito que somos felizes em nossos relacionamentos pelo período que escolhemos ser. Depois escolhemos outras experiências para viver, era um desejo de nosso espírito provavelmente e por isso, seguimos outro rumo. Mas com muito carinho, amizade e respeito.


Existem muitas coisas acontecendo nesta data. Hoje, 11 de setembro é aniversário de duas pessoas queridas e além disso, quero que signifique para mim o início desta busca que culminaria no meu renascimento espiritual. 
Por esta e tantas outras razões, não assisti a nenhum programa triste, retransmitindo aquelas cenas tão trágicas. Escolhi ter um dia feliz, conectado a boas energias e excelentes companhias e tive. E você?




"Você faz o que parece ser uma simples escolha: escolhe um homem, um emprego, ou um bairro -- e o que você escolheu não é um homem, um emprego, ou um bairro, mas uma vida."
(Jessamyn West)


...


Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Toda reforma foi em algum tempo uma simples opinião particular." (Ralph Waldo Emerson)