12.9.11

150: A importância da respiração correta

"A paciência torna mais leve o que a aflição não pode curar."
(Horácio)

Olá!
Estou lendo um material maravilhoso que ensina auto hipnose. O objetivo é relaxarmos a ponto de conseguirmos acessar diretamente e sozinhos o nosso subconsciente a fim de gravarmos sugestões de pensamentos positivos, etc. Infelizmente não existe ainda uma versão deste livro em português, chama-se: Powerful mind through selph-hypnosis, de Cathal O´Brian (Mente poderosa através da auto hipnose).



O autor destaca como prioridade o cuidado com a respiração. Sabemos o quanto ela é importante para a meditação. No livro de Hooponopono, o autor também comenta sobre isso e hoje li uma reportagem também sobre o tema e assim escolhi falar sobre isso hoje. Não deve ser por acaso. Se seu caso não é estar um pouco acima do peso, mas sua ansiedade se manifesta através do fumo, bebida ou outras formas, acho que a reportagem abaixo também pode ajudar.



Respire bem e emagreça!



Quando você respira de forma adequada, lenta e profundamente, não é só o gás carbônico que está mandando embora, não. A ansiedade e o estresse, que funcionam como um gatilho para a obesidade, também acabam indo pelos ares

Por Françoise Gregório


Observe sua respiração. Quando inspira, movimenta o peito e o abdome? Como solta o ar? Numa baforada só ou devagarinho? Não é comum darmos muita atenção à maneira como inspiramos ou expiramos, não é mesmo? Afinal, trata-se de um ato involuntário que realizamos mais de 20 mil vezes ao dia. “Mas esse mecanismo, quando realizado de forma lenta e profunda, avisa para o cérebro que não há ‘perigo à vista’, favorecendo o relaxamento”, explica o pneumologista José Nader (SP). 
E a tranquilidade gerada pode fazer uma baita diferença na saúde e também na balança. É isso mesmo: se seu desejo é emagrecer, respire fundo! Você já deve ter ouvido várias vezes que a ansiedade é um dos principais inimigos de um corpo enxuto. Basta lembrar aqueles momentos em que estamos com os nervos à flor da pele. O que acontece? Normalmente, atacamos a geladeira na tentativa de relaxar.

Por outro lado, iniciar uma dieta também dispara os batimentos cardíacos, já que a restrição alimentar gera uma certa angústia. Resultado: a respiração fica curta e se concentra na altura do peito, com movimentos rápidos. Essa é a chamada respiração torácica. “Para piorar tamanho estresse alimentado pelo estado ofegante, o organismo passa a produzir níveis mais altos de cortisol, hormônio que aumenta o apetite, estimula a produção de células de gordura e as torna infladas, além de inibir a queima das que estavam estocadas. Por tudo isso, a respiração correta já é considerada um dos pilares para o tratamento de casos de ansiedade e obesidade”, completa o endocrinologista Jairo Prates (RJ).

Respiração turbinada

Como já deu para perceber, respirar de forma adequada significa mais do que uma estratégia para mudar o estado de espírito, mas também nossas atitudes, inclusive diante do prato. E na última década, ganharam fôlego pesquisas que analisam os efeitos da respiração no funcionamento do organismo e na boa forma. Ela é o termômetro das nossas emoções e, segundo estudos mais recentes, apesar de acontecer espontaneamente e de forma tão automática, é capaz de impactar positivamente a saúde, afetando a atividade do sistema nervoso. Cientistas da Universidade de York (Canadá) avaliaram os efeitos dos exercícios respiratórios sugeridos pela ioga em 215 mulheres durante dois meses.

Os resultados mostraram que a técnica promove relaxamento físico ao diminuir a atividade do sistema nervoso, o que reduz a frequência cardíaca e aumenta o volume de respiração. As voluntárias também apontaram redução nas dores, aumento da capacidade física e da disposição para os exercícios e a perda de até 5 kg. Mas como deve ser a inspiração e a expiração corretas?

Pense naquele movimento realizado pelos bebês, no qual percebemos claramente a barriga e o peito descendo e subindo de forma ritmada. Quando nascemos, temos uma respiração muito mais profunda – para inspirar, enchemos os pulmões, puxando as costelas para as laterais e, depois, ao expirar, empurramos o diafragma (músculo localizado entre o tórax e o abdome), esvaziando os pulmões. “Com o passar do tempo, isso muda: os medos e as inseguranças tornam a respiração mais acelerada e superficial e passamos a utilizar apenas 30% da capacidade pulmonar.

Nesse processo, o diafragma não trabalha na sua total eficiência, comprometendo, dessa forma, a absorção de ar e as trocas gasosas”, explica José Nader. Outras possíveis causas dessa mudança de respiração é o fato de as pessoas ficarem muito tempo sentadas, em posições que comprimem o abdome, além do uso de roupas apertadas, que limitam o movimento do diafragma.





Dica:
Respire lentamente! 
Segundo o livro de Cathal Obrien, para relaxar devemos levar 7 segundos para inspirar (não devemos prender a respiração e sim soltá-la imediatamente após os 7 segundos) e então levar 11 segundos para expirar. Se possível, aguardar uns segundos sem inspirar e então começar novamente. 
Na opinião dele, tão ou mais importante do que encher os pulmões de oxigênio, é se livrar de todo ele depois, uma vez que aquele ar transforma-se em gás carbônico e deve ser eliminado em sua totalidade.
Vamos tentar?
Afinal, quem não sente que necessita relaxar de vez em quando?

"Simplicidade, simplicidade, simplicidade! Tenha dois ou três afazeres e não cem ou mil; em vez de um milhão, conte meia dúzia... No meio desse mar agitado da vida civilizada há tantas nuvens, tempestades, areias movediças e mil e um itens a considerar, que o ser humano tem que se orientar - se ele não afundar e definitivamente acabar não fazendo sua parte - por uma técnica simples de previsão, além de ser um grande calculista para ter sucesso. Simplifique, simplifique. E respire!
(Henry Thoreau)

...


Um comentário:

"Toda reforma foi em algum tempo uma simples opinião particular." (Ralph Waldo Emerson)