14.10.11

182: Tristeza como uma meditação



Uma flor para você que está me seguindo aqui neste espaço!

Olá!
Hoje foi um dia normal e isso pode ser algo positivo, pois significa que não foi um dia ruim, não é mesmo?
Mas nada de novo para comentar, então seguem 2 textos interessantes.


Tristeza como uma meditação




A tristeza pode se tornar uma experiência muito enriquecedora. Você precisa trabalhar nela.

É fácil fugir de sua tristeza — e todos os relacionamentos são geralmente fugas: a gente simplesmente prossegue evitando-a. E ela está sempre oculta lá... a corrente continua.

Mesmo no relacionamento ela irrompe muitas vezes. Assim a gente tende a lançar a responsabilidade sobre o outro, mas isso não é a coisa real. É a sua solidão, sua própria tristeza. Você ainda não atentou para isso, desse modo ela irá surgir de novo e novamente.

Você pode fugir no trabalho. Você pode escapar com alguma ocupação, no relacionamento e na sociedade, nisso e naquilo, viajando, mas ela não irá embora, porque ela é parte do seu ser.

Todo homem nasce sozinho — no mundo, mas sozinho; vem através dos pais, mas sozinho. E todo homem morre sozinho, novamente deixa o mundo sozinho. E entre essas duas solidões prosseguimos iludindo e enganando a nós mesmos.

É bom criar coragem e mergulhar em nossa solidão. Embora isso possa parecer duro e difícil no princípio, vale muito a pena. Uma vez que você se arranja com isso, uma vez que você começa a desfrutar disso, uma vez que você sente isso não mais como tristeza, mas como silêncio, uma vez que você compreende que não há como escapar disso, você relaxa.

Nada pode ser feito sobre isso, então por que não desfrutá-la? Por que não penetrar profundamente e sentir o sabor dela, ver o que ela é? Por que ficar desnecessariamente assustado? Se ela vai estar lá presente e se é um fato, existencial, não acidental; então por que não chegar a um acordo com ela? Por que não chegar nela e ver o que ela é?

Quando você se sentir triste, sente-se silenciosamente e permita a tristeza chegar; não tente escapar dela. Torne-se tão triste quanto possível. Não a evite — essa é uma coisa para lembrar. Grite, chore... sinta todo o sabor disso. Grite muito... se jogue no chão... role — e deixe isso prosseguir por si mesmo. Não o force; isso irá, porque ninguém pode ficar num humor permanente.

Quando ela se vai você se sentirá descarregado, absolutamente aliviado, como se toda a gravidade tivesse desaparecido e você pudesse voar, leve. Esse é o momento para penetrar em si mesmo.

Primeiro traga a tristeza. A tendência geral é não permitir isso, encontrar algum jeito e meios para que você possa olhar para outra coisa — ir para um restaurante, para uma piscina, encontrar os amigos, ler um livro ou ir para o cinema, tocar uma guitarra; fazer algo, a fim de que você possa estar ocupado e possa desviar sua atenção para alguma outra coisa.

Isso é para ser relembrado — quando você estiver se sentindo triste, não perca a oportunidade. Feche as portas, sente-se e sinta-se tão triste quanto possa, como se o mundo inteiro fosse um inferno. Vá fundo nisso... mergulhe nisso. Deixe que todo pensamento triste penetre em você, que cada emoção triste lhe agite. E grite e chore e diga coisas, e as diga bem alto, não há nada com que se preocupar.

Portanto, primeiro viva a tristeza por alguns dias, e quando o momentum da tristeza se for, você irá se sentir muito calmo, em paz — como a gente sente após uma tempestade. Nesse momento sente-se silenciosamente e desfrute do silêncio que está chegando por si mesmo. Você não o trouxe; você estava trazendo tristeza. Quando a tristeza se vai, na vigília, o silêncio se assenta.

Escute esse silêncio. Feche seus olhos. Sinta-o... sinta a própria textura dele... a fragrância. E se você se sente feliz, cante, dance.

Osho, em "Be Realistic: Plan for a Miracle"




"A nenhum de nós nesta Terra é pedido mais do que pode realizar e se nos esforçarmos para obter o que há de melhor dentro de nós, sempre guiados por nosso Eu Superior, a saúde e a felicidade serão possíveis. 



Mas nas horas mais escuras, quando a vitória parece impossível, lembremo-nos de que os filhos de Deus não devem nunca ter medo, que as tarefas que nossas almas nos dão são apenas as que somos capazes de realizar e que, com coragem e fé em nossa divindade interior, a vitória virá para todos os que continuam a lutar. 

Cada pessoa tem uma vida para viver, um trabalho a realizar, uma personalidade gloriosa, uma individualidade maravilhosa. Se ela compreender estas verdades e conseguir mantê-las contra todas as leis da massificação, ela superará tudo e ajudará os outros com o exemplo do seu caráter. A vida não exige de nós grandes sacrifícios; pede-nos apenas para fazermos a viagem com alegria no coração e sermos uma bênção àqueles que estão ao nosso redor." 

Dr. Edward Bach (1886 – 1936)



"Insista em si mesmo; nunca imite.
Seu próprio talento você pode apresentar a cada momento com a força acumulada pelo cultivo de uma vida inteira; mas do talento adotado de uma outra pessoa você tem apenas uma extemporânea posse parcial. Faça o que foi designado para você, e nenhuma esperança ou ousadia poderão ser demais."


( Ralph Waldo Emerson ) 


Quem quiser, veja o vídeo abaixo:






Até amanhã...





2 comentários:

  1. oi marcia! lindo seu blog! linda VIDA!
    bjoka
    (aq é a ana do pensamentos filmados!)

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana!!!

    Que alegria vê-la por aqui.
    Espero que possamos trocar muitas ideias e aprendizado, pois sinto que você deve ter trilhado muitos caminhos.
    Seja muito bem vinda e aceito críticas, ideias, sugestões...

    Tenha uma semana MARAVILHOSA!!!

    Bjs

    ResponderExcluir

"Toda reforma foi em algum tempo uma simples opinião particular." (Ralph Waldo Emerson)