30.11.11

225: Seja verdadeiro. Seja você!




“Os três grandes fundamentos da felicidade nesta vida são: algo para fazer, algo para amar e algo para esperar.”



(Joseph Addison)
Olá!
Ontem acabei resolvendo umas questões de trabalho até muito tarde, por esta razão não tive tempo para me dedicar à publicação como gostaria. Porém hoje retornarei à minha promessa de comentar sobre uma mulher que me surpreendeu com seu exemplo de empreendedorismo e liderança. Vamos lá...


O nome dela é Aline, é linda, inteligente, deve ter uns 26 anos e recentemente ganhou a eleição para ser síndica do meu prédio. Ontem disse à ela que a admirava, pois "fujo" deste tipo de responsabilidade, pois não sei lidar com conflitos diariamente.
Às vezes acho que existem muitos desentendimentos desnecessários num condomínio, fico desapontada com isso. 
No lugar de um síndico eu queria pedir de coração para os moradores repensarem as suas atitudes e reclamações, pois existem coisas muito piores no mundo. Clichê? Pode ser... 
Adoro 99% das pessoas do meu prédio, porém creio que um pouco de perspectiva e mais paciência e gratidão levariam todos muito mais longe. Oro/rezo por eles de longe e espero que possamos conviver em harmonia sempre que possível. E torço muito por estas pessoas que se colocam na posição de liderança: Aline, parabéns!!!

"Só assim, quando existe uma franca abertura para escutar e aprender com o outro e o sentir-se também responsável pelo outro, é possível crescer como gente. Cada um vai descobrindo os próprios talentos com a ajuda dos demais e se colocando a serviço de todos. Quando se descobre a riqueza de cada um e o imenso tesouro que somos todos juntos, não há mais motivos para invejas, competições e outras mesquinharias."
(Francisco de Assis)

Retornando ao tema principal:
Ela mora sozinha (durante a semana), é professora, está começando a sua confecção, vai casar neste final de semana e ainda virou síndica. Realmente a admiro! Mas... aquela conversa no elevador não terminou por aí. Acabou rendendo uma visita ao apartamento dela e tive o prazer de ouvir parte da sua trajetória de sucesso. A família era grande e os pais não tinham condições de dar presentes, escola particular, etc. Então quando criança ela levava bolo para vender no intervalo da escola. 


Aos 12-13 anos disse que seu sonho era ter um bicho de pelúcia enorme. 
Não comentei com ela, mas também quis, só que eu já não era uma adolescente. Mas não ganhei e nem comprei um, acabei focando também em outras coisas e acabei esquecendo.
Como ela sabia que seus pais não poderiam comprar, decidiu que teria um assim mesmo. Fez uma rifa entre seus conhecidos e conseguiu o dinheiro para adquirir seu "bichão de pelúcia". Comentou que se sentiu muito "vitoriosa"! E tem como não se sentir assim? Tão nova e já tão madura, independente e empreendedora.
Mas seu exemplo não pára por aí... 


Ela queria fazer faculdade e acabou passando em duas universidades particulares. E... se graduou ao mesmo tempo nas duas. Comentou que vendia bombons que ela mesmo fazia de madrugada para se manter, pode? Também confessou que certa vez chegou na faculdade com 3 sacolas enormes cheias de leite condensado, pois estavam em oferta num hipermercado. Mas as sacolas arrebentram e as latas se esparramaram. Na época ela não tinha carro, fazia tudo a pé, mas jamais reclamou.


Também comentou que seu pai foi a sua grande inspiração, sempre trabalhou muito e pelo que imagino, sem negativismo. Que atitude positiva e inspiradora, que belo exemplo de pai! Parece que o sucesso e o empreendedorismo deles é algo quase "genético" ou "contagioso". Achei a sua história um grande exemplo de superação, pois demonstrou novamente que quando queremos realmente algo, somos capazes de encontrar os meios para conseguir. Então... Nada de desculpas: mãos à obra! Hoje ela é um exemplo para a família e para todos que a conhecem. Tem seu apartamento, seu automóvel, está iniciando sua confecção e ama lecionar! Que mulher "completa"!


Observando o seu sorriso e jamais pensava que ela havia  passado por estes desafios. Que mulher guerreira! Foi difícil não me comparar com ela e ver que somos tão diferentes. Não sinto tanto orgulho do meu passado, acho que foi mais "light", não me sinto uma vencedora como ela.
Ela é uma formiguinha, não pára nunca, está sempre ocupada e achando mais coisas para fazer. Eu gosto de ter menos responsabilidades e ser mais "zen". Porém creio que de certo modo nós nos equilibramos. Cada um nasceu com uma personalidade diferente, então estou aprendendo a me inspirar nestes exemplos tão "ativos" sem me comparar e cobrar o mesmo comportamento. Afinal, conforme prometi para mim esta semana: "Estou aprendendo a amar quem eu sou!"


Acabamos trocando informações sobre negócios e juntas talvez façamos uma parceria em breve. 
O que mais me marcou nela porém foi outra atitude: em julho do ano passado meu pai estava internado em estado grave, quando cheguei para visitá-lo comentaram que ele havia falecido. Meu chão desapareceu. Pediram para eu levar sua "ultima roupa". Então vim para o meu apartamento buscar e ela foi a primeira pessoa que encontrei ao chegar. Acabamos nos abraçando e eu chorei. Jamais vou esquecer aquela atitude de carinho quando eu mais precisei, pois até hoje foi o momento mas difícil que já passei e nós não nos conhecíamos. Mas... nada de tristeza, passou!!! Se existe paraíso, meu paizin está lá, pescando e um dia nos reencontraremos. (outro belo clichê!)


Não comentei aqui mas tive que "madrugar" hoje para resolver algumas questões profissionais e como fui dormir extremamente tarde, estou com bastante sono. 
Para finalizar, que tal esta belíssima mensagem abaixo?

Seja verdadeiro(a). Seja você!

"A paz resultante de uma auto-revelação honesta é uma recompensa imediata e inegável. As pessoas dispostas a compartilhar sua vulnerabilidade não precisam fazer constantemente o esforço exaustivo da repressão. Não precisam colocar máscaras no rosto. Não precisam realizar as contorções da compensação, da projeção, da racionalização. Fazem o que Dag Hammarskjold chamou de "a mais longa jornada", a jornada para dentro de si mesmo. O que elas vêem e ouvem nessa exploração de seus espaços interiores gravam na fita da comunicação. "Esse sou eu. Isso é tudo quanto sou, nem mais, nem menos. Se você puder vir e comemorar comigo, ótimo. Preciso lhe dizer isto: não sou obrigado a agradar você. O que tenho a fazer é ser eu mesmo, minha verdadeira pessoa."
(John Powell)


Então... por hoje é só!

Até amanhã!

...

3 comentários:

  1. Nossa Márcia... nem sei o que dizer.(lágrimas de alegria)
    Um enorme beijo em seu coração!!!

    ResponderExcluir
  2. OOi Márcia,
    Muito legal a história da Aline.Uma verdadeira guerreira mesmo!Sou tão reclamona,e histórias assim me fazem repensar que devo agradecer mais.
    Desejo o melhor de tudo pra Aline e que ela continue assim,sendo uma inspiração(iluminação)
    na vida de todos.
    Amor e paz
    Bjo grande

    ResponderExcluir
  3. Aline!!!

    Que bom que gostou!!!

    Beijos,

    M

    ----------

    Akira:

    Tehao certeza de que você, do sue jeito também é uma grande inspiração para muitos.

    Beijos,

    M

    ResponderExcluir

"Toda reforma foi em algum tempo uma simples opinião particular." (Ralph Waldo Emerson)