29.12.11

245: Feliz Ano Novo...




Olá!
Eu não poderia finalizar este ano sem agradecer profundamente a cada pessoa que me acompanhou por aqui. Afinal, esta jornada é nossa e tenho aprendido muito com vocês.
Espero que possamos estar juntos por muito tempo. 
Tenho novidades, mas deixarei para contar os detalhes depois, porém para dar um "gostinho": é possível que este novo ano me traga um novo amor. Será muito bem-vindo, pois a vida só vale a pena com muito amor, não é?!
A vida é cíclica, estou cada vez melhor e me abro para o novo, então...
Universo: surpreenda-me com coisas maravilhosas e também traga coisas espetaculares para todos os meus amigos. 



Mas...
Neste exato momento, estou de saída para a praia (Guaratuba, PR), então gostaria de apenas desejar uma mensagem para você:



Para finalizar...



"Todo homem tem direito de decidir seu próprio destino."
(Bob Marley) 


Crie o seu melhor destino neste ano novinho em folha... Nada pode atrapalhar uma vontade determinada!


E... Até breve!!!


22.12.11

244: Sugestões para presentes de Natal


"Sugestões de presente para o Natal:
Para seu inimigo, perdão.
Para um oponente, tolerância.
Para um amigo, seu coração.
Para um cliente, serviço.
Para tudo, caridade.
Para toda criança, um exemplo bom.
Para você, respeito ."
(Oren Arnold) 


Olá!
Estava pensando nos natais passados, principalmente de quando eu era criança. Era tão bom esperar o "bom velhinho", mesmo com aquela máscara horrível de plástico.
Não sei se os natais continuam tão especiais, mas espero que sim. Antigamente o número de crianças era enorme, agora com as famílias tendo menos filhos, será que a alegria é a mesma?
Eu sei que o importante não são os presentes e nem o papai noel. Mas falo daquela alegria tão espontânea que quase só a criança tem. 



Embora eu confesse que às vezes ficava um pouco triste nesta época. Certa vez ganhei um disco de natal das "Patotinhas" (sim sou desta época). Nunca mais esqueci daquela canção: "Porque felicidade é brinquedo que não tem". Horrível, não é?!
Esses tempos recebi uma arquivo com a análise das principais músicas infantis e são terríveis, assustadoras, quem as escreveu?!
Mas sobrevivemos e é isso o que importa.
Com o tempo o natal acaba tendo o sentido que damos à ele. Espero que o meu este ano seja repleto de harmonia, o resto é consequência.



"O Natal é um tempo de benevolência, perdão, generosidade e alegria. A única época que conheço, no calendário do ano, em que homens e mulheres parecem, de comum acordo, abrir livremente seus corações."
(Charles Dickens) 


"O Natal agita uma varinha mágica sobre todo o mundo, e observe, tudo é mais suave e mais bonito."
(Norman Vincent) 


"Há mais, muito mais, para o Natal do que luz de vela e alegria; É o espírito de doce amizade que brilha todo o ano. É consideração e bondade, é a esperança renascida novamente, para paz, para entendimento, e para benevolência dos homens."
(Autor Desconhecido) 


"Natal, minha criança, é amor em ação. Toda vez que nós amamos, toda vez que nós damos, é Natal."
(Dale Evans Rogers) 


"Natal não é uma época nem uma estação, mas um estado da mente. Apreciar a paz e benevolência, ser abundante em clemência, é ter o real espírito de Natal. "
(Calvin Coolidge) 


"Lembre-se, se o Natal não é achado em seu coração, você não o achará debaixo da árvore."
(Charlotte Carpenter) 


"Eu sempre pensei em Natal como um tempo bom; um bem, perdão, generosidade, época agradável; uma época em que os homens e mulheres parecem abrir os corações deles/delas espontaneamente, e assim eu digo, Deus abençoe o Natal!"
(Charles Dickens) 


"Uma das coisas agradáveis sobre o Natal é que você pode fazer as pessoas esquecerem do passado com um presente sincero."
(Autor Desconhecido) 


"A única pessoa realmente cega na época de Natal é aquela que não têm o Natal em seu coração. "
(Helen Keller) 


"Eu honrarei o Natal em meu coração, e tentarei manter o ano todo."
(Charles Dickens) 



"Muitas vezes as mensagens de Natal e Ano Novo parecem se repetir em uma série de clichês automáticos, mas não sei como escrever algo que já não tenha sido dito. Gostaria apenas que neste Natal você possa sentir uma sensação real de paz e felicidade por ser exatamente o que é, e estar onde está. Desejo ainda que 2012 seja o melhor ano das nossas vidas até agora e assim sucessivamente..."

Com carinho,

Marcia Maria Karasinski

Viajarei para minha terra natal
(Guarapuava, no interior do Paraná)
e retornarei na semana que vem.

Até breve!

...


21.12.11

243: O que você quer de Natal?


Olá!
Antes de ontem e ontem ganhei 2 presentes muito especiais, duas pessoas novas seguindo este blog. Sejam mais do que bem-vindas!
Mas voltando às minhas reflexões, ontem meu amor me disse: 
- O que você quer de Natal? Você já tem tudo!!!  
E eu pensei: Será que tenho?!
Então, por que a sensação de que sempre falta algo parece ser uma presença tão constante?
Este pensamento dele me fez refletir sobre a minha vida e na verdade, não devo reclamar.


Apesar de ter nascido numa família essencialmente cristã (principalmente católica), quando tinha 16-17 anos comecei a buscar alternativas, abrir a mente e conhecer mais sobre outras religiões. Primeiro me apaixonei pelo espiritismo e logo em seguida pelo budismo. 
Não conseguia acreditar que tantos monges podiam viver com tão pouco e transcender tudo vivendo aparentemente felizes, isolados e em plena harmonia e plenitude. 


Na época eu queria ser assim. Comecei a criticar mentalmente o capitalismo. Li muita coisa, principalmente a maioria das obras do famoso e controverso autor e monge tibetano Lobsang Rampa. Era uma grande "viagem" num mundo novo, mágico, fascinante, muito diferente do Ocidente. 
Eu realmente achei que deveríamos transcender tudo e não precisar de nada, viver praticamente 100% baseados na espiritualidade e praticando a meditação.
Se eles conseguem, por que não eu? 


Seu livro mais conhecido chama-se "A terceira visão". Todos os livros diziam ser autobiográficos, mas descobriu-se mais tarde que na verdade este lama era um encanador nascido na Inglaterra. Porém após uma extensa pesquisa concluíram que o autor inglês parece ter "canalizado" todos os livros, incorporando o espírito de um famoso monge que pode ter existido, por esta razão a riqueza de detalhes é fantástica e a mensagem muito poderosa. Todos os seus livros fizeram muito sucesso ao redor do mundo na década de 60. Se você não está familiarizado com as obras deste autor, para ter uma ideia do que me fascinou, leia um trecho do resumo do primeiro livro abaixo. 


Com todos os ingredientes de uma empolgante autobiografia, A Terceira Visão conta a vida de Tuesday Lobsang Rampa e sua formação como monge budista, até se tornar um lama e abade especialista em medicina cirúrgica. Aos sete anos, filho de um membro dos altos postos do governo tibetano, o pequeno Lobsang tem seu destino decidido por uma comissão de sacerdotes-astrólogos, que solenemente profetizam seu futuro durante uma grande festa realizada em sua casa em Lhasa, no Tibete. O menino deveria ser encaminhado ao mosteiro de Chakpori e passar por um severo preparo ético, teórico, religioso e aguçado através de provas de resistência física e mental. Ele deveria estar apto não apenas para exercer seu papel de médico, mas também para enfrentar um destino marcado por dificuldades, privações e sofrimento no Ocidente. Tendo como mestre o lama Mingyar Dondup, por quem nutre respeito e carinho quase filiais, Lobsang passa por inúmeras provações e conta tudo com detalhismo impressionante.


Sua convivência com o décimo terceiro Dalai-Lama, suas experiências de quase morte, viagens astrais, clarividência; as expedições ao Planalto de Chang Tang a fim de conhecer e colher ervas medicinais; sua visita à "cidade morta" de uma civilização perdida, suas elucubrações quanto às diferenças culturais, sua fiel descrição de um ambiente carregado de mistério, inatingível à maioria das pessoas comuns, tudo isso faz da obra o tipo de livro que não se consegue mais parar de ler. A narrativa também é permeada por mensagens contra o preconceito: "É uma pena que tenhamos essa tendência para julgar outros povos segundo nossos próprios padrões". E de consolo: "A morte não existe. É um nascimento. Simplesmente o ato de nascer num outro plano de existência". A história do menino tibetano que se torna um lama marcou época é foi um dos precursores da literatura esotérica dirigida às grandes massas. A linguagem, quase poética, de com preensão fácil, detalhista e cheia de prosopopéia, conquistou um público ávido pela necessidade de sonhar com uma realidade distante, misteriosa e praticamente inacessível.


Retornando às minhas divagações... Nunca consegui viver completamente desapegada de tudo. Tenho muitos desejos e estou aprendendo a conviver com eles. Se por um lado, viver no alto de uma montanha no Tibete sem energia elétrica, isolados do mundo faz certas pessoas transcenderem esta realidade física para se conectarem a uma realidade maior, ótimo!


Mas... moro aqui no Brasil, no centro de uma grande cidade (Curitiba) e estou cercada de pessoas, de tecnologia, de muito "barulho" e amo tudo isso! Amo gente! De todos os "tipos". Amo os parques, a biblioteca (ao lado da minha casa), a rua XV, os teatros, os shoppings, os restaurantes, as livrarias, ... Gosto de conhecer gente nova, de analisar este "zoológico" humano que é o centro da cidade nos dias de semana.


Porém, parece que há sempre uma busca. Jamais sinto que consegui tudo o que almejo. Sou sincera em dizer: quero mais da vida, muito mais... Então meu amor, eu não tenho tudo o que quero não. Existem muitas coisas que desejo, mas... com uma sinceridade que vem do fundo da alma eu te digo que sei que já tenho o principal e isso me faz muito feliz.


Talvez o segredo da vida seja não sofrer enquanto nossos desejos não se realizam. Ou mais ainda, não depender jamais deles, pois podem nem ocorrer. O que seria o ideal então? 
Talvez seja, saber o que se deseja, saborear a expectativa mas não depender de nada exterior para que a gente possa ser feliz! 
Afinal, um dos autores que eu mais amo atualmente é Abraham Hicks e ele deixa muito claro que nossos desejos são necessários, cada pessoa com um grande sonho impulsiona o mundo e faz a vida neste planeta "evoluir". 

"O homem há de voar."
(Santos Dumont)

Então... Sonhe, planeje, almeje... Nada é realmente impossível, precisamos acreditar mais em nossa força, depois desapegar e deixar Deus agir... Quantos "milagres" estamos evitando? 
O que você mais quer de Natal? E de 2012?
Segue o meu desejo mais sincero:
"Que 2012 seja o melhor ano das nossas vidas até agora e assim sucessivamente!"


Até amanhã!

...



20.12.11

242: O que é assertividade?


Olá!
Hoje o pensamento acima foi predominante em minha mente. Um ano novinho em folha se aproxima e espero mudanças. Mas tenho que começar por mim. Preciso ser a mudança que espero. Uma das coisas mais importantes eu já tenho: sei exatamente tudo que desejo. E... como tenho praticado exercer a assertividade, não abrirei mão disso. É muito importante que eu me coloque como prioridade, mas sem ego. Isso é autoestima.  
E... 
Como anda a sua assertividade? 
O que planeja para 2012?


O que é Assertividade
 Vera Martins, 2005, Editora Campus, pág 21




O que é assertividade?

O termo assertividade origina-se de asserção. Fazer asserções quer dizer afirmar, do latim afirmare, tornar firme, confirmar e declarar com firmeza. (...)

A postura assertiva é uma virtude, pois se mantém no justo meio-termo entre dois extremos inadequados, um por excesso (agressão), outro por falta (submissão).

O significado de assertividade tem sido distorcido, promovendo resistência nas pessoas. Muitos entendem que ser assertivo é ter apenas uma comunicação sincera e objetiva, sentido-se com o direito de dizer muitos "nãos" e poucos "sims" aos outros, "doa a quem doer e custe a quem custar". (...)

No ambiente profissional, o perfil assertivo é cada vez mais valorizado, principalmente num mercado de mudanças contínuas, que exige decisões objetivas e focadas nos resultados esperados e que considera relevante a construção de parcerias. A técnica assertiva "aposta" na mudança de comportamento passivo ou agressivo para um comportamento maduro e honesto, adaptado a todos os tipos de personalidade.

O comportamento assertivo é ativo, direto e honesto, transmitindo uma impressão de auto-respeito e respeito pelos outros. (...)

Uma pessoa assertiva vence pela influência, atenção e negociação, oferecendo ao outro a opção pela coorperação. Não oferece retaliações e estimula a comunicação de mão dupla. (...)

Ser assertivo é dizer "SIM" e "NÃO" quando for preciso. (...)

Para se tornar uma pessoa assertiva, você precisa se fortalecer com as atitudes que chamamos de base para comportamento assertivo. Sem elas, é impossível desenvolver uma comunicação em que você afirma seu eu sem massacrar o eu do outro.

* AUTOESTIMA: origina-se da imagem que você tem de si mesmo. É a sua reputação vista por seus próprios olhos. É o que você pensa e sente sobre si mesmo. A qualidade da auto-estima depende de você. Depende a aceitação, da confiança e do respeito que você tem por si mesmo.

* DETERMINAÇÃO: é uma energia que faz você ter coragem para ir em frente e não desistir perante os obstáculos. É ter foco e clareza sobre onde quer chegar.

* EMPATIA: é colocar-se no lugar do outro mentalmente e sentir o que o outro está sentindo numa determinada situação. Somente pessoas maduras conseguem estabelecer empatia.

* ADAPTABILIDADE: é adequar seu estilo de comunicação e entrar em sintonia com seu interlocutor, seja uma criança, seja um idoso, tenha nível cultural alto ou baixo.

* AUTOCONTROLE: é assumir que o ser humano é bastante emocional e usar da racionalidade para gerenciar as emoções, não perdendo o controle das situações.

* TOLERÂNCIA À FRUSTRAÇÃO: é aceitar que não podemos só ouvir sins, pois exitem os nãos que são pertinentes e justos. Isto significa aceitar a diversidade humana.

* SOCIABILIDADE: é gostar de estar com pessoas, é se preocupar com o bem-estar do outro assim como o seu próprio. É tratar as pessoas com naturalidade e sem idéias preconcebidas.

Além dessas atitudes, existem três condições para ser assertivo:

1. Saber o que quer e aonde quer chegar;
2. Partir de um pensamento positivo;
3. Ser proativo para atingir os resultados.




Até amanhã!

...



19.12.11

241: Como se faz um herói






Olá!
Dia belo e agradável.
Prenúncio de um excelente natal.
Fui assertiva em relação a um tema importante, fiquei feliz! E os resultados apareceram...
No mais, fui passear com aminha mãe na rua XV esta noite e está belissima. Nunca havia visto o Centro da cidade tão belo e enfeitado para o natal. Parabéns a esta cidade maravilhosa.





Mudando de assunto, hoje circulou muito na TV a morte de duas pessoas famosas:

* ditador norte-coreano Kim Jong-il;



* Joãosinho Trinta artista plástico e famoso carnavalesco brasileiro.



Cada um deixou a sua marca, seja ela positiva ou não. Mas algumas pessoas mais "desconhecidas" são verdadeiros heróis anônimos e eles sim merecem ainda mais a nossa atenção e admiração. 
Já havia lido o texto abaixo, mas hoje ele apareceu novamente para mim, então acho que merece ser lembrado. Você já ouvir falar de Nicholas Winton?



Como se faz um herói




Talvez um herói se faça com umas gotas de amor, idealismo e uma grande vontade de promover o bem.

Ao menos para o jovem britânico Nicholas Winton a fórmula foi essa.

Tudo começou no ano de 1938, quando ele tinha somente 29 anos e viu cancelado seu plano de férias de final de ano. 



Atendendo ao convite de um amigo, ele foi para a Tchecoslováquia. O que Nicholas Winton viu o deixou estarrecido.

Eram milhares de refugiados desesperados que tinham que deixar o país rapidamente.

De imediato ele percebeu que deveria fazer algo por eles. E fez.

Teve a ideia de retirá-los daquela terra, já sob o poder da Alemanha nazista.

Por conta própria, escreveu a vários países pedindo ajuda. Organizou uma primeira lista de nomes e recebeu resposta positiva da Suécia e da Grã-Bretanha.

De volta ao seu país, conseguiu o apoio de organizações beneficentes e encontrou pessoas dispostas a adotar os refugiados, todos crianças.

Também obteve os recursos necessários para o transporte e quando o primeiro trem chegou à Grã-Bretanha, lá estava ele, na plataforma, para a recepção.

Foram salvas 669 crianças por esse jovem. Crianças que se transformaram em escritores, engenheiros, biólogos, cineastas, construtores, jornalistas, guias turísticos.



O mais incrível é que ele fez tudo isso sem nenhum alarde.

Todas as 669 crianças foram contatadas décadas mais tarde e verificou-se que sem exceção, elas se transformaram em adultos generosos, que adotaram crianças, trabalham como voluntários, fazem o bem, como gratidão pelas suas próprias vidas.

Infelizmente, lamenta Nicholas, um novo grupo com quase 200 passageiros não pôde partir para a liberdade, porque no dia 1º de setembro de 1939 eclodiu a guerra.

Todos os meios de transporte foram bloqueados e os que não conseguiram sair, foram enviados aos campos de concentração.

Dizem que quem salva uma vida, salva a Humanidade. Que se pode dizer de alguém que salvou mais de 600 crianças mesmo correndo risco de uma retaliação nazista?

Mas, um herói não para depois de um ato heróico. E, por isso, Nicolas tornou-se voluntário da Cruz Vermelha, na França, durante a guerra.

Trabalhou posteriormente nas Nações Unidas e, ao se aposentar, dedicou-se exclusivamente ao trabalho voluntário.

Vivendo no interior da Inglaterra, ele cuida do seu jardim e ainda usa o tempo para ajudar um asilo.

Não se considera um herói porque diz que fez o que todos consideravam impossível, simplesmente porque o seu lema é: Se não é obviamente impossível, deve haver uma maneira de fazer.

Discreto, nem à esposa com quem se casou em 1948, ele narrou o que fizera.

Foi em 1988 que o fato se tornou conhecido e ele passou a receber homenagens do Governo tcheco, da Rainha da Inglaterra, dos Estados Unidos e dos que foram salvos por sua atitude heróica.

Sua vida, seus méritos e a operação de resgate estão contidas na biografia escrita por nada menos do que uma das crianças que ele salvou: Vera Gissing, que o conheceu nos seus 80 anos de idade.


Nicholas Winton com uma de suas "crianças"

* * *

Um herói se faz com umas gotas de amor, idealismo e uma grande vontade de promover o bem.


Redação do Momento Espírita




Se desejar saber mais sobre este herói, veja o vídeo abaixo:





Até amanhã!

...


18.12.11

240: Campanha da gentileza X enfermeira



Olá!
Hoje tive um dia introspectivo.
Pensei sobre o que fiz nos anos anteriores, principalmente onde estava nesta época há 1 ano (ver mais abaixo). Também pensei em tudo que fiz neste ano e no que pretendo fazer nos anos seguintes. 
Nesta época no ano passado eu e a minha família decidimos que faríamos algo divertido para fechar com "chave de ouro" um ano que havia sido bem difícil, devido ao falecimento do meu pai em julho. Então eu, minha mãezinha, minha irmã, minha cunhada Luciane e meus sobrinhos Felipe e Fernanda fomos para Nova Iorque e Washington. Foi maravilhoso. Colocarei umas fotos abaixo mais por diversão, depois disso pretendo comentar sobre um assunto muito pesado que mexeu muito comigo, não positivamente nos últimos dias.


Almoçando no restaurante italiano do ator/diretor Robert de Niro - NYC.
Mãe, minha irmã, meu sobrinho, minha cunhada, minha sobrinha e eu.


Museu de cera NYC - eu e meu maior líder do século passado.


Museu de cera - Olha só como estou à vontade na "Casa Branca" - NYC.


Eu em Washington DC.
A única corajosa a encarar a parte de cima do ônibus (aberta). 
Estava alguns graus negativos com vento, dá para ver a neve no piso.


Mas chega de descontração, agora o assunto é sério.
O tema que me deixou triste e preocupada os últimos dias foi o caso da enfermeira que torturou e matou seu pequeno yorkshire na frente da sua filha de 2 ou 3 anos. Não me indignei apenas com a brutalidade desta jovem, mas pela reação das pessoas. Muitos se igualaram à ela na maldade ao sugerir que vão à casa dela e que ela seja espancada, estuprada, morta... E que antes sua filha seja espancada e morta na frente dela e assim vai... Não vejo diferença de comportamento entre o que ela fez e o que as pessoas querem que seja feito. Violência não se corrije com mais violência, apenas gera mais da mesma. Acho que li a frase abaixo no livro "O segredo da felicidade", do Dalai Lama:


"Perder a paciência é algo tremendamente normal, mas perder a paciência da maneira certa, com a pessoa certa, na hora certa, pelo motivo certo, é quase impossível..."



Mas não sei o que fazer com ela. Se por um lado creio que tratá-la com violência não seja a saída, não consigo crer que a impunidade também seja a solução. Caso difícil!
Mas parabéns à vizinha que gravou e denunciou o caso, esta é uma pessoa corajosa e que fez a coisa certa.
Voltando no tempo... Quando acusaram o pai do Michael Jackson de ter sido extremamente maldoso e por isso seu filho era tão "problemático", pensei: - E como foi o avô do Michael Jackson? Ou seja o pai do pai dele? Quais motivos o levaram para ser assim? Que tipo de infância tiveram num país que era tão racista? Provavelmente carregaram algumas "cicatrizes na alma".



Voltando ao tema de hoje: Qual será a origem do comportamento desta jovem mãe? Foi abusada quando era criança? De onde vem tanta maldade? Tudo tem uma razão de ser, deveríamos manter a calma e procurar a razão, a justiça correta com tolerância e conhecimento completo do caso. Calma... Não pense que não me indignei, chorei e fiquei muito chateada, mas matar esta mulher não resolve a questão. Além disso existem muitos outros motivos importantes que também merecem a nossa atenção (a violência contra as crianças, contra os idosos, a desigualdade social, o tráfico de drogas, a educação e a saúde públicas, a política, etc...) Se vamos nos indignar então vamos dar atenção à tudo que não nos agrada e procurar fazer a diferença de modo positivo. Sei que muitos podem não concordar, eu entendo. Então pretendo parar por aqui.



Campanha da gentileza




O executivo estava na capital e entrou em um táxi com um amigo. Quando chegaram ao destino, o amigo disse ao taxista:


- Agradeço pela corrida. O senhor dirige muito bem.


E, ante o espanto do motorista, continuou:


- Fiquei impressionado em observar como o senhor manteve a calma no meio do trânsito difícil.


O profissional olhou, um tanto incrédulo, e foi embora.
O executivo perguntou ao amigo por que ele dissera aquilo.


- Muito simples – explicou ele. - Estou tentando trazer o amor de volta a esta cidade e iniciei com uma campanha da gentileza.


- Você sozinho? – Disse o outro.


Eu, sozinho, não. Conto que muitos se sintam motivados a participar da minha campanha. Tenho certeza de que o taxista ganhou o dia com o que eu disse. Imagine agora que ele faça vinte corridas hoje. Vai ser gentil com todas as 20 pessoas que conduzir, porque alguém foi gentil com ele. Por sua vez, cada uma daquelas pessoas será gentil com seus empregados, com os garçons, com os vendedores, com sua família. Sem muito esforço, posso calcular que a gentileza pode se espalhar pelo menos em mil pessoas, num dia.


O executivo não conseguia entender muito bem a questão do contágio que o amigo lhe explicava.


- Mas, você vai depender de um taxista!


- Não só de um taxista, respondeu o otimista. Como não tenho certeza de que o método seja infalível, tenho de fazer a mesma coisa com todas as pessoas que eu contatar hoje.
Se eu conseguir que, ao menos, três delas fiquem felizes com o que eu lhes disser, indiretamente vou conseguir influenciar as atitudes de um sem número de outras.


O executivo não estava acreditando naquele método. Afinal, podia ser que não funcionasse, que não desse certo, que a pessoa não se sensibilizasse com as palavras gentis.


- Não tem importância, foi a resposta pronta do entusiasta. Para mim, não custou nada ser gentil.


_________________________________________


Você já pensou como seria bom se agradecêssemos ao carteiro por nos trazer a correspondência em nossa residência?


Ao médico que nos atenda, ao balconista, ao caixa do supermercado...


E a um professor, então? Quantos se mostram desestimulados porque ninguém lhes reconhece o trabalho!


Se receber um elogio, se alguém lhe disser como é bom o trabalho que está realizando com seu filho, como ele influenciará todos os alunos das várias classes em que leciona!


E cada aluno levará a mensagem para suas casas, seus amigos, seus vizinhos.


Pode não ser fácil, mas se pudermos recrutar alguém para a nossa campanha da gentileza...


Diz um provérbio de autoria desconhecida que as pessoas que dizem que não podem fazer, não deviam interromper aquelas que estão fazendo alguma coisa.


Pensemos nisso e procuremos nos engajar na campanha da gentileza.


Pode não dar certo com uma pessoa muito mal-humorada. Mas também pode ser que ela se surpreenda por ser cumprimentada, e responda.


Melhor do que isso: pode ser que ela decida cumprimentar alguém. E, em fazendo isso, se sinta bem. E passe a cumprimentar as pessoas todos os dias.


Assim estaremos espalhando o germe da gentileza, que torna as pessoas mais próximas umas das outras.


Uma campanha que espalha confiança, tranqüilidade...


Pensemos nisso e façamos nossa adesão à campanha da gentileza, transformando a nossa cidade num oásis de paz.


Redação do Momento Espírita, com base no cap. O amor e o taxista, de autoria de Art Buchwald, do livro Histórias para aquecer o coração, de Jack Canfield e Mark Victor Hansen, ed. Sextante.





Até amanhã!

...