12.2.12

263: Carta para Deus e os 3 chimpanzés








Para você! 







Olá! 
Dia lindo. Acordei muito feliz. Ontem tive um dia agradabilíssimo, encontrei a minha vozinha ("fizemos as pazes") e à noite saí com alguns de meus melhores amigos e com a Carolina, uma amiga colombiana que mora na Noruega e está temporariamente trabalhando aqui no Brasil.
Mas a razão maior da minha sensação de paz e alegria é que mais uma vez, resolvi fazer aquela faxina mental tão necessária. Então, pratiquei uma oração de cura que encontrei aqui na rede e dediquei à algumas pessoas próximas. Penso que a simples ideia de querermos melhorar, mandar o negativo embora, purificar a alma já é metade do caminho para que isso aconteça. Afinal, o universo conspira não é mesmo?


PENSAMENTO POSITIVO
Funciona
se você acredita nele

Antes de ontem à noite, estava tomando um capuccino e um belíssimo e delicado inseto verde claro (de apenas uns 1 ou 2 cm) acabou entrando na xícara e ficou preso nas bordas que ainda estavam humidas com a bebida. Fiquei com pena, esvaziei a xícara na pia e joguei um pouco de água nele para ver se ele se soltava e nada. Continuava preso na borda, pois as asas eram muito finas, transparentes. O líquido havia se transformado numa espécie de cola. Então deixei a xícara na pia e fui ver TV e depois dormir. No dia seguinte, lá estava ele, imóvel então fiquei triste. Além de verde ser a minha cor favorita, tinha achado que era um sinal de sorte, era tão delicado, queria que ele estivesse bem. Achei a foto exatamente igual ao pequeno inseto que estou falando. Ver abaixo:

Da ordem dos neurópteros, que significa os que têm nervuras

Um dia após o fato ocorrido, nada. Então coloquei água até a borda da xícara e soltei na pia para ver se ele se soltava completamente e isso ocorreu. Esvaziei a xícara com cuidado para ele não cair no ralo. Ele ficou parado, imóvel e eu decidi colocar um pouco de açúcar ao redor. Desapeguei. Mas... À noite antes de sair, percebi que ele estava em outro lugar, havia subido um pouco na lateral da pia. Fiquei tão feliz. Quando retornei do encontro com meus amigos ele não estava mais lá, voou. Você pode achar bobagem, mas me senti bem. parecia tão indefeso e minha mãe me ensinou a não matar nem mesmo aranhas, todos somos criaturas divinas. 


Fui pesquisar sobre ele e achei o seguinte:
De acordo com o biólogo e especialista no assunto Ronaldo Bastos Francini, o inseto se alimenta de pragas que sugam a seiva das plantas. "Eles não transmitem doença ou fazem mal. Na verdade, são predadores importantes porque protegem as plantações".
Como estes insetos voam muito, vieram de longe, acompanhando os ventos mais fortes, provavelmente vieram da Serra do Mar. Aqui, eles se mantêm vivos por conta das casas e prédios com plantas.
No habitat natural, a espécie se orienta pela luz da lua. Já no meio urbano, fica confuso com as lâmpadas acesas. O inseto tem um mecanismo natural que calcula o quanto e para onde ele se desloca. Com a interferência na distância e na temperatura que ele está acostumado, sendo da lua para a lâmpada, ele precisa recalcular ângulos o tempo todo. 

"O vôo até a Lua não é tão longe.
As distâncias maiores que devemos percorrer estão dentro de nós mesmos."
Charles de Gaulle


Esqueci de comentar que ontem à tarde assisti a uma belíssima palestra com o tema: "Nosso EU maravilhoso!" Foi ministrada pelo líder da iluminação da filosofia Seicho-No-Ie, chamado Luciano Bittencourt. Tão novo e tão sábio! Amei!!!
Conforme já comentei anteriormente, procuro manter minha mente aberta à todas as ideias, filosofias e religiões, então atualmente não frequento uma apenas, leio sobre vários temas e quando sinto vontade de ir num lugar específico, sigo meu coração.


Mudando de assunto, deixarei 2 textos interessantes abaixo. 
Um deles comove, toca o coração, deixe o coração mais leve, inspira... 
Já o outro incomoda, nos tira da nossa zona de conforto e faz a gente refletir sobre tabus tão enraizados em nossa sociedade. 
A maioria vai gostar apenas do primeiro e se chocar com o segundo, mas para evoluirmos precisamos repensar certos valores e mudar paradigmas. Proponho apenas uma reflexão sobre o tema, afinal para mim sexo é divino e é por esta razão que dele nasce uma vida. Não precisamos ir de um extremo (totalmente livre, grupal, apenas físico) para outro (milhões de tabus, pecado, feio, sujo), como sempre, acho que o melhor caminho é o do meio (o equilíbrio). Afinal, se existir algo melhor ou mais gostoso do que amar de corpo e alma, Deus escondeu só pra Ele. 


1º Texto: Carta para Deus





Cachorra morre e menina de quatro anos escreve para Deus:
“Não se sabe quem respondeu, mas existe uma belíssima alma trabalhando no arquivo morto dos correios americanos. Abbey, nossa cadelinha de 14 anos morreu no mês passado. No dia seguinte a seu falecimento, minha filha de 4 anos, Meredith, chorava e comentava sobre a saudade que sentia de Abbey. Ela perguntou se poderia escrever uma carta para Deus para que, assim que Abbey chegasse ao céu, Deus a reconhecesse. Eu concordei, e ela ditou as seguintes palavras”:

Querido Deus.
O Senhor poderia tomar conta da minha cadela? Ela morreu ontem e está ai no céu com o Senhor. Estou com muitas saudades dela. Fico feliz porque o Senhor deixou ela comigo mesmo que ela tenha ficado doente. Espero que o Senhor brinque com ela. Ela gosta de nadar e de jogar bola. Estou mandando uma foto dela para que assim que a veja, o Senhor saberá logo que é a minha cadela. Eu sinto muita saudade dela. Meredith.

Pusemos num envelope a carta com uma foto de Abbey com Meredith e a endereçamos: Deus - Endereço: Céu. Também pusemos nosso endereço como remetente. Então Meredith colou um monte de selos na frente do envelope, pois ela disse que precisaria de muitos selos para a carta chegar até o céu. Naquela tarde ela colocou a carta numa caixa do correio. Dias depois ela perguntou se Deus já tinha recebido a carta. Respondi que achava que sim. Ontem havia um pacote embalado num papel dourado na varanda de nossa casa, endereçado a Meredith numa caligrafia desconhecida. Dentro havia um livro escrito por Mr. Rogers, intitulado “Quando um animal de estimação morre”. Colada na capa interna do livro estava a carta de Meredith. Na outra página, estava a foto das duas com o seguinte bilhete:

Querida Meredith,
A Abbey chegou bem ao céu. A foto ajudou muito e eu a reconheci imediatamente. Abbey não está mais doente. O espírito dela está aqui comigo assim como está no seu coração. Ela adorou ter sido seu animal de estimação. Como não precisamos de nossos corpos no céu, não tenho bolso para guardar a sua foto. Assim, a estou devolvendo dentro do livro para você guardar como uma lembrança da Abbey. Obrigado por sua linda carta e agradeça a sua mãe por tê-la ajudado a escrevê-la e a enviá-la pra mim. Que mãe maravilhosa você tem!! Eu a escolhi especialmente pra você. Eu envio minhas bênçãos todos os dias e lembro que amo muito vocês. A propósito, sou fácil de encontrar: estou em todos os lugares onde exista amor.

Com amor, 

Deus

2º Texto: 3 chimpanzés


Incrustados no meio da África vivem os animais que mais se assemelham aos seres humanos em termos genéticos. Compartilhamos aproximadamente 98 a 99% de seu DNA, e ainda assim somos muito distintos, principalmente devido as formidáveis capacidades do órgão que trazemos dentro da cabeça. Mas, será que somos tão diferentes assim?

Os chimpanzés se separaram do tronco evolutivo de nosso misterioso ancestral comum por volta de 4 a 7 milhões de anos atrás, talvez até mais. São animais que costumam andar pelo solo, embora ainda usando as mãos como apoio, e se alimentam, sobretudo, de frutas, folhas, sementes e pequenos animais que cruzam seu caminho. Durante os dias, nas planícies africanas, podem ser vistos nos galhos das árvores, aproveitando a sombra e mordiscando frutas... Como nós, são animais sociais, que vivem em grupos de apenas uns 5 até mais de 100 indivíduos. Aparentemente possuem culturas diferentes, dependendo da região em que habitam, e são capazes de ensinar técnicas rudimentares de uma geração a outra: uso de gravetos para extração de cupins de um cupinzeiro; uso e fabricação de pedras específicas, usadas como ferramenta para quebrarem sementes e frutos; e até mesmo ferramentas adaptadas para caça de pequenos mamíferos, algo bem mais raro.

Olhar os chimpanzés pode às vezes parecer uma experiência que transcende nossa espécie e nosso tempo: de certa forma, olhamos para aquilo que fomos, ou algo muito próximo, há milhões de anos atrás. Por exemplo, às fêmeas chimpanzés possuem hábitos mais solitários, passando a maior parte do tempo sozinhas. Nesses grupos, os machos dominantes exercem seu poder através de pura agressividade, sobre as fêmeas e os outros machos mais jovens ou fracos. Nesse sentido, a vida sexual dos chimpanzés não difere tanto assim da de outros primatas, como os gorilas, e nesse ponto o ser humano parece se distinguir totalmente: afinal, fazemos sexo não apenas para procriação, mas também e, principalmente, por prazer, e por amor...

Os estudiosos perceberam apenas em 1928 que os bonobos formavam uma família diferente dentro da espécie dos chimpanzés, com um comportamento muito peculiar, em que o sexo está em primeiro lugar, funcionando como substituto da agressividade. O bonobo é um dos raros animais para quem não existe relação direta entre sexo e reprodução. Ou seja, como os humanos, eles fazem mais amor do que filhos. Ao contrário da maioria dos primatas, a sociedade dos bonobos é dominada pelas fêmeas e não pelos machos.

Estudiosos como o antropólogo Richard Wrangham – autor de Demoniac males [1] – especulam que isso ocorreu pelo fato de, entre os bonobos, os vínculos mais duráveis se estabelecem entre as fêmeas, que passam grande parte do tempo em atividades sociais ou em brincadeiras sexuais. Wrangham acredita que essa organização social é resultado do tipo de alimentação desses macacos, que se adaptaram a comer frutos e pequenos animais, como os chimpanzés, além de folhas e raízes, como os gorilas. A facilidade de obter alimentos desestimulou o desenvolvimento da agressividade dos machos, mas incentivou as alianças entre as fêmeas. Essas alianças acabam resultando em mais poder para quem as estabelece.

Mas a “sociedade matriarcal dos bonobos” só se torna efetivamente possível porque, ao contrário da maioria das fêmeas de outras espécies, que só são receptivas ao sexo no período fértil, às fêmeas bonobos são atrativas e ativas sexualmente durante quase todo o tempo. Além de intensa atividade sexual com seus parceiros, em que tomam a iniciativa, elas simulam relações com outras fêmeas – é justamente através do sexo que estabelecem as aliançasentre si. Os machos também participam dessa espécie de homossexualismo light. As atividades eróticas dos bonobos compreendem ainda sexo oral, masturbação mútua e beijos de língua.

Um dos “inconvenientes” da sociedade dos bonobos é que incestos e pedofilia são relativamente comuns... Isso parece ter sido motivo suficiente para muitos ditos cristãos demonizarem a espécie inteira, como se outras espécies também não praticassem incesto e pedofilia (e coisas muito piores). Na verdade, o problema com os bonobos é que eles fazem sexo, muito sexo, e nisso lembram a nós mesmos. Como sabemos, por muitos séculos, principalmente na Idade Média, o sexo foi considerado sujo, condenado e sentenciado as trevas... Mesmos nos dias atuais, em que o ímpeto sexual humano parece explodir de forma descontrolada, como rio há muito tempo represado, que finalmente rompe a represa, ainda há muita gente “conservadora e religiosa”, que abomina a visão de uma sociedade humana se parecendo com uma sociedade de bonobos.

Mas, será que temos lembrado mais os bonobos ou os chimpanzés? É preciso lembrar que para os bonobos o sexo é um elemento central de redução da agressividade nas relações entre os indivíduos. Embora já tenham sido registrados casos até mesmo de canibalismo entre os bonobos, estes são raríssimos – os bonobos, quando comparados aos chimpanzés, seriam uma sociedade de gandhis e madres teresas, ao menos no quesito agressividade. Nós, humanos, entretanto, temos sido ainda mais agressivos que os chimpanzés, com nossa própria espécie, com as outras, e com o meio ambiente como um todo.

Alguns nos chamam de “terceiro chimpanzé” [2], mas é óbvio que, ao mesmo tempo em que estamos conectados a todas as outras espécies na árvore da vida, temos uma diferença imensa de todas elas: a consciência humana, única em sua racionalidade e espiritualidade. Os chimpanzés fazem parte dos poucos animais que conseguem se reconhecer no espelho, e sob muitos aspectos parecem mesmo conosco, mas foi exatamente a nossa imensa inteligência que possibilitou que, dentre outras coisas, destruíssemos seu habitat natural até que entrassem na lista de espécies ameaçadas de extinção, da qual dificilmente sairão um dia... Não, nós não temos sido primatas promíscuos, que fazem sexo a torto e a direito, nós temos sido algo muito pior do que isso: primatas dominantes sedentos por territórios e recursos naturais, que não expulsam os outros primatas de seus territórios natais com grunhidos e intimidação, mas com fogo, pólvora, bombas e estranhas doutrinas religiosas.

O sexo humano pode sim se desencaminhar para a promiscuidade total, a pedofilia e outras bizarrices, mas ainda assim, na “escala de escuridão” em que os ditos cristãos o colocaram, ainda está muito, muito mais próximo da luz do que a agressividade, a intolerância e o fanatismo. Não foram os bonobos quem enviaram bombas atômicas para cidades de nações rendidas, ou adolescentes com bombas na cintura para se explodirem em mercados e praças públicas, não foram nem mesmo os chimpanzés – foram nós, os humanos.

Porém, ainda assim é tarde para ser pessimista: enquanto este mundo tem girado em torno de uma pedra ardente, de alguma forma as consciências dos homo sapiens tem despertado, uma a uma, e se dado conta de que estamos aqui não para sobreviver e domesticar a Natureza, mas, pelo contrário: para viver, e exaltar esta mesma força da vida que nos deu os chimpanzés e os bonobos, e todos os outros seres desta Terra, não através de um decreto divino, mas através de um mecanismo divino que tem evoluído ao longo das eras nas formas mais belas e surpreendentes; e do qual é o sexo, não a agressividade, o grande motor.



Dois bonobos











E por hoje é só...





O amor é lindo!!!



Até amanhã!

...



Um comentário:

  1. Bjs para sua vozinha... É gratificante te visitar e ler suas postagens que são maravilhosas.

    ABRAÇO CARINHOSO E FRATERNAL ...


    GIOVANA

    ResponderExcluir

"Toda reforma foi em algum tempo uma simples opinião particular." (Ralph Waldo Emerson)